Projeto de jovem de Barcelos “Quintal Holístico” que vai funcionar às portas do concelho de Esposende em Vila Cova

Um projeto desenvolvido por dois alunos da Escola Superior Agrária (ESA) de Ponte de Lima que querem por cabras a limpar florestas para prevenir e reduzir o risco de incêndio.

“A ideia surgiu há mais de um ano devido ao gosto que tenho por caprinos e pela confusão que me fazia a quantidade de fogos florestais que acontecem todos anos. Achei que podia dar o meu contributo para reduzir esse flagelo”, explicou hoje um dos autores do projeto, Filipe Gandra.

O jovem de 26 anos, natural de Barcelos, adiantou que a “ideia” começou a ganhar forma quando o amigo e colega Fábio Jácome, 29 anos, de Viana do Castelo, decidiu “associar-se” ao projeto, na vertente da gestão da floresta e da paisagem.

Filipe Gandra e Fábio Jácome, a frequentarem o mestrado em Agricultura Biológica da ESA do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) recorreram ao ‘crowdfunding’ (financiamento colaborativo) para garantir os seis mil euros necessários ao arranque do projeto.

As primeiras cabras corta-mato deverão estar no terreno dentro de dois meses, em Vila Cova, uma aldeia de Barcelos.

Para os autores do projeto-piloto, “o facto de os animais terem sido progressivamente retirados dos seus ecossistemas, nomeadamente das florestas, contribuiu para o crescimento descontrolado dos materiais vegetais combustíveis – designados normalmente por matos -, que nos períodos mais secos aumentam a sua matéria seca, tornando-se materiais facilmente inflamáveis”.

“Todos os anos os fogos destroem milhares de hectares de floresta. Existe pouca gestão dos terrenos, nomeadamente dos matos que crescem sistematicamente. Como são materiais combustíveis necessitam de controlo, e com o pastoreio dos caprinos, consegue-se uma redução dos materiais secos combustíveis”, frisou.

Explicou que a escolha dos caprinos fica a dever-se “ao comportamento alimentar” desta espécie, “ajustado ao objetivo, uma vez que selecionam e procuram partes específicas, mais nutritivas, das plantas, não as destruindo completamente”.

Por outro lado, “a sua anatomia permite-lhes adaptarem-se às condições íngremes das florestas, conseguindo facilmente subir, equilibrarem-se e alimentarem-se em zonas de declive acentuado”.
No entanto, adiantou que ” o objetivo passa por utilizar outros animais como as ovelhas, cavalos, e vacas”.

“Cada espécie tem uma função dentro do sistema agroflorestal. O nosso papel é gerir a função desses animais para que eles nunca cheguem a destruir o coberto florestal”, disse.

O projeto de Filipe e Fábio “já despertou a atenção” de associações ambientalistas como a Quercus, a Green Savers, a Agrobio e a Associação dos Agricultores do Porto.

“Se o projeto resultar, o objetivo é replicá-lo noutras zonas do país até porque já fomos contactados por vários proprietários interessados na ideia”, adiantou.

O “Quintal Holístico” foi colocado no ‘site’ português de ‘crowdfunding’, PPL, para garantir o financiamento dos seis mil euros, necessários ao seu arranque.
A aquela verba destina-se à aquisição de cercas elétricas, reconstrução de um edifício para alojamento dos animais, e aquisição de cerca de 100 a 150 cabras.

A campanha de angariação daquele montante, que termina no dia 19, regista já cerca 34 apoiantes, tendo apurado 34% do valor necessário para avançar com o projeto.

Barcelos. Concelho sobe no Ranking nacional do Portugal City Brand Ranking 2018

O Município de Barcelos registou uma subida de quatro lugares no ranking nacional do Portugal City Brand Ranking/2018 – Municípios Portugueses, promovido pela Bloom Consulting, ocupando agora a 30ª posição, num total de 308 municípios.

Em termos globais, analisando as categorias Viver, Visitar e Negócios, o concelho de Barcelos ocupa a 10ª posição na região Norte, tendo também aqui subido uma posição na tabela geral, voltando a ocupar um lugar no “Top10”. Neste estudo que revela quais são os concelhos com melhor desempenho na captação de turistas, de investidores e de novos residentes, Barcelos obteve um crescimento de 44% desde o ano de 2014. Aqui é importante salientar o crescimento do Município de Barcelos mas também a distribuição anual das pesquisas sobre o município, que avaliam entre outras, as categorias de emprego, restaurantes e alojamento.

Sobre o ranking

A Bloom Consulting baseia este estudo anual, Portugal City Brand Ranking num algoritmo proprietário.

Em cada edição, são consideradas diversas fontes de informação, relacionadas com as três dimensões (Negócios, Visitar e Viver) para a formação deste algoritmo. Os resultados finais deste ranking não só medem as perceções sobre um município, mas também classificam o desempenho da sua marca de uma forma tangível e realista.

Este estudo é composto por três variáveis base, utilizadas para analisar o sucesso da marca dos 308 municípios portugueses, bem como o seu desempenho relativo entre eles. Esta metodologia utilizada, avalia a variável económica turística e social, representada por dados estatísticos, a variável da procura através das pesquisas online captadas pela ferramenta Digital Demand – D2 e a variável da performance on-line, através da análise dos sites e das redes sociais oficiais de cada município. Desta forma concreta e rigorosa, é possível avaliar o desempenho e a eficácia dos diversos municípios na captação de investidores, turistas e novos residentes.

Barcelos. Município e Júlia Ramalho entre os vencedores de 2017 do ‘Prémio Nacional do Artesanato’

O Município de Barcelos e a artesã barcelense Júlia Ramalho acabam de ser distinguidos no âmbito do concurso ‘Prémio Nacional do Artesanato 2017’, promovido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Os galardões foram atribuídos hoje, numa cerimónia que decorreu no Museu de Arte Popular, em Lisboa, com o Município de Barcelos a ser agraciado com o “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, que visa reconhecer o trabalho das entidades ou organismos públicos em prol das artes e ofícios, e com Júlia Ramalho a vencer o “Grande Prémio Carreira”, uma distinção que homenageia o percurso e a obra da consagrada artesã barcelense no domínio do artesanato tradicional.

Estas distinções acontecem poucos meses depois de Barcelos ter sido reconhecida com o selo de Cidade Criativa da UNESCO, na categoria de Artesanato e Arte Popular.

O Município de Barcelos apresentou em agosto a sua candidatura à categoria “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, sustentada no “programa de ação ímpar a nível nacional que o Município vem desenvolvendo nos últimos anos, promovendo as Artes e Ofícios como eixo estruturante do desenvolvimento económico, social e territorial e como fator de inclusão e coesão social”.

O Município de Barcelos propôs ainda o nome de Júlia Ramalho, natural de Galegos São Martinho, para vencer o “Grande Prémio Carreira”, pelos mais de 60 anos de trabalho dedicados ao artesanato, justificando que a artesã “soube honrar e valorizar o legado da avó, Rosa Ramalho, e notabilizar ainda mais a obra artística da família Ramalho, criando peças enquadráveis, rememorativas e adaptáveis à sociedade de cada um dos tempos em que viveu e vive”.

A distinção do Município é para Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara, um “motivo de orgulho” e “o corolário de uma estratégia bem concertada e sustentada que o Município de Barcelos tem implementado, nos últimos anos, para promover, valorizar e salvaguardar as práticas e as produções artesanais do concelho”.

“Este prémio representa, para além do reconhecimento, uma responsabilidade acrescida, obrigando a que continuemos a trabalhar na preservação do artesanato barcelense enquanto herança e património que nos foi legado e que nos compete defender, desafio a que continuaremos a responder com um profundo sentido de serviço público e de compromisso para com os barcelenses”, acrescenta Miguel Costa Gomes.

Prémio Nacional do Artesanato

O ‘Prémio Nacional do Artesanato’ é uma iniciativa que vem sendo realizada desde 1987, pelo Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, através do IEFP, integrando agora o Programa de Promoção das Artes e Ofícios. O concurso, que procura incentivar a produção artesanal, distinguindo artesãos portugueses, agentes e entidades públicas e privadas com intervenções relevantes na promoção das artes e dos ofícios, possibilita distinções em seis categorias: Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.