Mão de obra barata atrai Impetus à América do Sul caso continue crescimento no mercado Norte Americano onde vai abrir escritório (c/audio)

Alberto Figueiredo, presidente da Impetus, revelou, esta tarde de terça-feira, e em entrevista exclusiva conjunta ao Esposende 24 e Lusa, que prepara abertura de escritório em Nova Iorque no próximo ano, não descartando ainda que possa vir a começar a produzir na América Latina face “à mão de obra barata”.

“Já em 2016 vamos abrir escritório nos Estados Unidos da Amércia, pois este mercada representa 20 por cento das nossas exportações. Se a procura continuar a crescer, então pensamos em ter unidade produtivo nos dos países da América do Sul”, disse.

Alberto Figueiredo, ex-autarca de Esposende, esteve em Barcelos, à num colóquio dedicado ao Acordo de Comércio e Investimento União Europeia – EUA, que está a ser negociado.

Alberto Figueiredo revelou à Esposende 24 que face à dimensão do mercado norte americano, e com Canadá ali ao lado, os futuros escritórios de Nova Iorque ganham importância estratégica. “Estamos a fazer um investimento que, e contando com a campanha de marketing, representam um investimento de cerca de 700 mil euros”, frisou Alberto Figueiredo.

O responsável pelo grupo com sede em Barcelos, mas que emprega muita gente de Esposende, salientou à Esposende 24 ainda a importância do acordo que está a ser negociado entre a União Europeia e os Estados Unidos.

“Para as empresas portuguesas, nomeadamente na área dos têxteis, ao serem abolidas taxas e direitos alfandegários significa uma grande oportunidade de crescimento. É como estar no mercado comum, como exportar para Espanha. Quando se exportar assim para os Estados Unidos e não se pagarem direitos, e há produtos que mandámos para lá que pagam 30%, se se entrar lá sem se passar pela alfândega, sem pagar direitos, é como estar no mercado europeu mas muito maior”, considerou.

Fábrica pode abrir na América do Sul

Questionado sobre se a produção continuará a ser feita em Portugal, o responsável apontou a possibilidade de começar a produzir além-fronteiras.

“Em princípio, a produção continuará a ser cá. Se um dia crescer muito então podemos pensar num país da América Latina onde há um conjunto de países de mão de obra barata”, respondeu, esperando ainda, e caso tudo corra bem, bom retorno em pouco tempo.

“Para fazer alguma campanha e tudo, entre 500, 600, 700 mil euros. A ideia que nós temos é que entrando o retorno é rápido”, referiu o presidente da Impetus.

Criada nos inícios dos anos 70, em 1973, a Impetus é hoje um grupo com 12 empresas, cerca de 800 trabalhadores, que produz mais de 40 milhões de peças ao ano e com um volume de negócios anual superior a 40 milhões de euros.

 

Barcelos. Concelho sobe no Ranking nacional do Portugal City Brand Ranking 2018

O Município de Barcelos registou uma subida de quatro lugares no ranking nacional do Portugal City Brand Ranking/2018 – Municípios Portugueses, promovido pela Bloom Consulting, ocupando agora a 30ª posição, num total de 308 municípios.

Em termos globais, analisando as categorias Viver, Visitar e Negócios, o concelho de Barcelos ocupa a 10ª posição na região Norte, tendo também aqui subido uma posição na tabela geral, voltando a ocupar um lugar no “Top10”. Neste estudo que revela quais são os concelhos com melhor desempenho na captação de turistas, de investidores e de novos residentes, Barcelos obteve um crescimento de 44% desde o ano de 2014. Aqui é importante salientar o crescimento do Município de Barcelos mas também a distribuição anual das pesquisas sobre o município, que avaliam entre outras, as categorias de emprego, restaurantes e alojamento.

Sobre o ranking

A Bloom Consulting baseia este estudo anual, Portugal City Brand Ranking num algoritmo proprietário.

Em cada edição, são consideradas diversas fontes de informação, relacionadas com as três dimensões (Negócios, Visitar e Viver) para a formação deste algoritmo. Os resultados finais deste ranking não só medem as perceções sobre um município, mas também classificam o desempenho da sua marca de uma forma tangível e realista.

Este estudo é composto por três variáveis base, utilizadas para analisar o sucesso da marca dos 308 municípios portugueses, bem como o seu desempenho relativo entre eles. Esta metodologia utilizada, avalia a variável económica turística e social, representada por dados estatísticos, a variável da procura através das pesquisas online captadas pela ferramenta Digital Demand – D2 e a variável da performance on-line, através da análise dos sites e das redes sociais oficiais de cada município. Desta forma concreta e rigorosa, é possível avaliar o desempenho e a eficácia dos diversos municípios na captação de investidores, turistas e novos residentes.

Barcelos. Município e Júlia Ramalho entre os vencedores de 2017 do ‘Prémio Nacional do Artesanato’

O Município de Barcelos e a artesã barcelense Júlia Ramalho acabam de ser distinguidos no âmbito do concurso ‘Prémio Nacional do Artesanato 2017’, promovido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Os galardões foram atribuídos hoje, numa cerimónia que decorreu no Museu de Arte Popular, em Lisboa, com o Município de Barcelos a ser agraciado com o “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, que visa reconhecer o trabalho das entidades ou organismos públicos em prol das artes e ofícios, e com Júlia Ramalho a vencer o “Grande Prémio Carreira”, uma distinção que homenageia o percurso e a obra da consagrada artesã barcelense no domínio do artesanato tradicional.

Estas distinções acontecem poucos meses depois de Barcelos ter sido reconhecida com o selo de Cidade Criativa da UNESCO, na categoria de Artesanato e Arte Popular.

O Município de Barcelos apresentou em agosto a sua candidatura à categoria “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, sustentada no “programa de ação ímpar a nível nacional que o Município vem desenvolvendo nos últimos anos, promovendo as Artes e Ofícios como eixo estruturante do desenvolvimento económico, social e territorial e como fator de inclusão e coesão social”.

O Município de Barcelos propôs ainda o nome de Júlia Ramalho, natural de Galegos São Martinho, para vencer o “Grande Prémio Carreira”, pelos mais de 60 anos de trabalho dedicados ao artesanato, justificando que a artesã “soube honrar e valorizar o legado da avó, Rosa Ramalho, e notabilizar ainda mais a obra artística da família Ramalho, criando peças enquadráveis, rememorativas e adaptáveis à sociedade de cada um dos tempos em que viveu e vive”.

A distinção do Município é para Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara, um “motivo de orgulho” e “o corolário de uma estratégia bem concertada e sustentada que o Município de Barcelos tem implementado, nos últimos anos, para promover, valorizar e salvaguardar as práticas e as produções artesanais do concelho”.

“Este prémio representa, para além do reconhecimento, uma responsabilidade acrescida, obrigando a que continuemos a trabalhar na preservação do artesanato barcelense enquanto herança e património que nos foi legado e que nos compete defender, desafio a que continuaremos a responder com um profundo sentido de serviço público e de compromisso para com os barcelenses”, acrescenta Miguel Costa Gomes.

Prémio Nacional do Artesanato

O ‘Prémio Nacional do Artesanato’ é uma iniciativa que vem sendo realizada desde 1987, pelo Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, através do IEFP, integrando agora o Programa de Promoção das Artes e Ofícios. O concurso, que procura incentivar a produção artesanal, distinguindo artesãos portugueses, agentes e entidades públicas e privadas com intervenções relevantes na promoção das artes e dos ofícios, possibilita distinções em seis categorias: Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.