Leite de Esposende, Póvoa de Varzim e Barcelos está a desaparecer

Só no corrente ano 8% das explorações agrícolas dedicas ao sector do leite desapareceram na região do Cávado. O número é avançado pelo PCP que esta tarde de quarta-feira esteve nas instalações da CAVAGRI, associação de agricultores da região do Cávado, para discutir e perceber as consequências de uma situação considerada pelos comunistas como “trágica”.

“Há pouco mais de 20 anos este sector tinha 70 mil produtores. Hoje são pouco mais de cinco mil”, revelou João Frazão, do PCP. O problema afeta em especial os concelhos de Esposende, Barcelos, Vila Verde, Braga, Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

O antigo deputado comunista Agostinho Lopes, que também se deslocou à CAVAGRI, anunciou a entrada na Assembleia da República um projeto de resolução.

“São precisas respostas urgentes. Estamos muito preocupados com este sector e tememos pelo o futuro do leite produzido nesta região. Esta situação vai arrastar ainda outro problema que é o da produção de carnes”, frisou Agostinho Lopes.

O fim das cotas do leite tem deixado os produtores portugueses numa situação crítica, pois estes estão a braços com a redução dos preços à produção ao mesmo tempo que se mantêm os elevados custos dos factores de produção.

Barcelos. Concelho sobe no Ranking nacional do Portugal City Brand Ranking 2018

O Município de Barcelos registou uma subida de quatro lugares no ranking nacional do Portugal City Brand Ranking/2018 – Municípios Portugueses, promovido pela Bloom Consulting, ocupando agora a 30ª posição, num total de 308 municípios.

Em termos globais, analisando as categorias Viver, Visitar e Negócios, o concelho de Barcelos ocupa a 10ª posição na região Norte, tendo também aqui subido uma posição na tabela geral, voltando a ocupar um lugar no “Top10”. Neste estudo que revela quais são os concelhos com melhor desempenho na captação de turistas, de investidores e de novos residentes, Barcelos obteve um crescimento de 44% desde o ano de 2014. Aqui é importante salientar o crescimento do Município de Barcelos mas também a distribuição anual das pesquisas sobre o município, que avaliam entre outras, as categorias de emprego, restaurantes e alojamento.

Sobre o ranking

A Bloom Consulting baseia este estudo anual, Portugal City Brand Ranking num algoritmo proprietário.

Em cada edição, são consideradas diversas fontes de informação, relacionadas com as três dimensões (Negócios, Visitar e Viver) para a formação deste algoritmo. Os resultados finais deste ranking não só medem as perceções sobre um município, mas também classificam o desempenho da sua marca de uma forma tangível e realista.

Este estudo é composto por três variáveis base, utilizadas para analisar o sucesso da marca dos 308 municípios portugueses, bem como o seu desempenho relativo entre eles. Esta metodologia utilizada, avalia a variável económica turística e social, representada por dados estatísticos, a variável da procura através das pesquisas online captadas pela ferramenta Digital Demand – D2 e a variável da performance on-line, através da análise dos sites e das redes sociais oficiais de cada município. Desta forma concreta e rigorosa, é possível avaliar o desempenho e a eficácia dos diversos municípios na captação de investidores, turistas e novos residentes.

Barcelos. Município e Júlia Ramalho entre os vencedores de 2017 do ‘Prémio Nacional do Artesanato’

O Município de Barcelos e a artesã barcelense Júlia Ramalho acabam de ser distinguidos no âmbito do concurso ‘Prémio Nacional do Artesanato 2017’, promovido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Os galardões foram atribuídos hoje, numa cerimónia que decorreu no Museu de Arte Popular, em Lisboa, com o Município de Barcelos a ser agraciado com o “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, que visa reconhecer o trabalho das entidades ou organismos públicos em prol das artes e ofícios, e com Júlia Ramalho a vencer o “Grande Prémio Carreira”, uma distinção que homenageia o percurso e a obra da consagrada artesã barcelense no domínio do artesanato tradicional.

Estas distinções acontecem poucos meses depois de Barcelos ter sido reconhecida com o selo de Cidade Criativa da UNESCO, na categoria de Artesanato e Arte Popular.

O Município de Barcelos apresentou em agosto a sua candidatura à categoria “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, sustentada no “programa de ação ímpar a nível nacional que o Município vem desenvolvendo nos últimos anos, promovendo as Artes e Ofícios como eixo estruturante do desenvolvimento económico, social e territorial e como fator de inclusão e coesão social”.

O Município de Barcelos propôs ainda o nome de Júlia Ramalho, natural de Galegos São Martinho, para vencer o “Grande Prémio Carreira”, pelos mais de 60 anos de trabalho dedicados ao artesanato, justificando que a artesã “soube honrar e valorizar o legado da avó, Rosa Ramalho, e notabilizar ainda mais a obra artística da família Ramalho, criando peças enquadráveis, rememorativas e adaptáveis à sociedade de cada um dos tempos em que viveu e vive”.

A distinção do Município é para Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara, um “motivo de orgulho” e “o corolário de uma estratégia bem concertada e sustentada que o Município de Barcelos tem implementado, nos últimos anos, para promover, valorizar e salvaguardar as práticas e as produções artesanais do concelho”.

“Este prémio representa, para além do reconhecimento, uma responsabilidade acrescida, obrigando a que continuemos a trabalhar na preservação do artesanato barcelense enquanto herança e património que nos foi legado e que nos compete defender, desafio a que continuaremos a responder com um profundo sentido de serviço público e de compromisso para com os barcelenses”, acrescenta Miguel Costa Gomes.

Prémio Nacional do Artesanato

O ‘Prémio Nacional do Artesanato’ é uma iniciativa que vem sendo realizada desde 1987, pelo Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, através do IEFP, integrando agora o Programa de Promoção das Artes e Ofícios. O concurso, que procura incentivar a produção artesanal, distinguindo artesãos portugueses, agentes e entidades públicas e privadas com intervenções relevantes na promoção das artes e dos ofícios, possibilita distinções em seis categorias: Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.