Geoparque Litoral de Viana do Castelo vence prémio nacional

O novo Geoparque Litoral de Viana do Castelo, nascido de uma investigação da Universidade do Minho, venceu o Prémio Geoconservação 2016, atribuído pelo grupo português da Associação Europeia para a Conservação do Património Geológico (ProGEO).

Este projeto inclui 13 geossítios, cinco deles monumentos naturais, revelando mais de 500 milhões de anos da evolução geológica do planeta. A estrutura é apresentada esta sexta-feira, às 15h30, na biblioteca municipal vianense, assinalando o Dia Internacional do Património Geológico e o Dia Mundial da Terra.

A sessão conta com Ricardo Jorge Carvalhido, geólogo da UMinho e líder científico do projeto, que apresentará o “Livro de Pedra” e um “topoguia”, para apoiar os cidadãos na descoberta do geoparque. Prevê-se ainda a presença do autarca vianense José Maria Costa e da secretária de Estado do Ordenamento do Território, Célia Ramos. O geoparque, em fase adiantada de arranque, é fruto de dez anos de pesquisa de Ricardo J. Carvalhido, incluindo centenas de quilómetros percorridos no litoral, o seu doutoramento, publicações em revistas internacionais e ações/formações para escolas, técnicos de turismo e docentes do básico e secundário.

Bolas de granito parecem atiradas por gigantes

Os monumentos naturais do geoparque são Pedras Ruivas, Canto Marinho, Alcantilado de Montedor, Ribeira de Anha e Ínsuas do Lima. Ricardo J. Carvalhido realça que “têm enorme potencial turístico e educativo, mas também risco de degradação, exigindo medidas de conservação e proteção, algumas delas já iniciadas”. Para o cientista e a autarquia, o geoparque vai promover o turismo sustentável e segmentado, anular a sazonalidade das praias e beneficiar ainda da Ecovia do Litoral Norte, quase pronta.

Em Canto Marinho, as grandes bolas de granito parecem atiradas por gigantes, mas dever-se-ão a gotas de magma que irromperam entre as rochas mais antigas há mais de 300 milhões de anos. A curta distância, surgem 700 pias escavadas na rocha a revelar que ali se extraía sal há 5000 anos. Já as Pedras Ruivas preservam restos de praias antigas, lavradas pelo mar há 125 mil anos, a crer pelas rochas com sulcos de antepassados dos ouriços-do-mar e os penedos aplanados no topo. Numa baía de Montedor há inscrições rupestres. A veiga da Areosa, à esquerda do monte de Santa Luzia, cobre um lago que existiria há 11 mil anos. As ilhotas do Lima serviram de pastos para gado e, nas margens, marcas de antigas salinas indiciam a ação tectónica da falha do Lima. O geólogo da UMinho deseja ver um dos núcleos salineiros reabilitado como centro de interpretação dessa atividade que marcou a região.

IPVC. “O futuro da agricultura passa por aqui”

Começaram hoje as Jornadas Ibéricas de Agricultura de Precisão na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESA-IPVC). Na sessão de abertura, Ana Paula Vale, diretora da ESA-IPVC, sublinhou que “o futuro da agricultura passa por aqui, pela agricultura de precisão”. A responsável pela ESA-IPVC revelou que a instituição fará um investimento de um milhão de euros na aquisição de equipamentos. “Estas jornadas, esta discussão que estamos a fomentar acontece no momento certo, pois a ESA tem vários projetos aprovados e financiados neste setor e a instituição vai fazer, nos próximos dois anos, o investimento de cerca de um milhão de euros na aquisição de equipamentos que vão auxiliar a formação dos estudantes e ajudar os agricultores não só desta região”. Para Ana Paula Vale tal investimento vai-se traduzir num “salto tecnológico muito significativo”.

Já Mário Araújo, da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, enalteceu a iniciativa que junta instituições de Portugal e Espanha e falou dos financiamentos que existem nesta área. Mário Araújo lançou igualmente vários desafios aos presentes em questões que ligados ao setor, como por exemplo no caso do combate às pragas, desafiando inclusivamente os presentes para a possibilidade de os avisos agrícolas passarem a ser quase em tempo real. Desafios que Ana Paula Vale diz estar já em cima da mesa com a recente criação da Rede Nacional de Experimentação e Investigação Agrária que reúne todas as Escola Superiores agrárias do Ensino Politécnico português.

Já Carlos Rodrigues, vice-presidente do IPVC falou da importância da agricultura de precisão como uma “ferramenta útil no auxílio de tomada de decisão com uma maior e melhor precisão, sendo igualmente um meio de diagnóstico e atuação”. O futuro da agricultura passa por produzir mais, melhor e de forma mais sustentável”.

Hoje e amanhã todas as questões ligadas à Agricultura de Precisão vão estar em discussão nestas jornadas que se assumem como um encontro técnico-científico que se dirige a produtores, técnicos das associações e outras organizações do sector agrícola, técnicos das empresas, estudantes do Ensino profissional e superior na área das ciências da terra e agronomia; técnicos da administração central, regional e local.

As Jornadas Ibéricas de Agricultura de Precisão pretendem “apresentar e divulgar os avanços nas técnicas e os desafios da adoção e aplicação das tecnologias e equipamentos; partilhar experiências entre os diferentes utilizadores das tecnologias de agricultura de precisão nos diferentes âmbitos da produção agronómica. discutir e realizar propostas para uma maior adoção, otimizar os meios disponíveis e necessário bem como, maximizar os respetivos impactes esperados na região do Entre Douro e Minho”.

Rally. Campeão nacional evacuado para o hospital depois de acidente em Viana

O troço de Viana do Castelo foi interrompido temporariamente esta manhã após acidente de José Pedro Fontes, piloto campeão nacional de ralis, que ocorreu nos primeiros metros da especial de Viana do Castelo.

O piloto ao volante de um Citroen, embateu de frente contra uma árvore, acabando por sofrer ferimentos. A navegadora, Inês Ponte, também ficou com mazelas.

Ambos foram transportados para o Hospital de Viana do Castelo em helicóptero, desconhecendo-se a gravidade dos ferimentos.