Acionado plano distrital de emergência para o Alto Minho

A Comissão Distrital de Proteção Civil de Viana do Castelo acionou, segunda-feira, o Plano Distrital de Emergência (PDE) “devido ao número de incêndios, ao esgotar dos meios de combate e às condições meteorológicas para os próximos dias”.

A decisão foi tomada cerca das 23:00 em reunião realizada no Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, “na sequência da vaga de incêndios florestais, verificados nos dias últimos dias com o agravar da situação na segunda-feira”.

No final do encontro, o presidente da CPPC, José Maria Costa, justificou a decisão com “a dificuldade de meios e a extensão e gravidade da situação” registada no Alto Minho, adiantando que com a ativação daquele plano “podem ser reforçados os meios que possam salvaguardar as pessoas e bens”.

“Estamos a viver uma situação muito crítica”, sustentou, acrescentando que a região está a enfrentar “uma situação excecional”.

“Já houve contactos com a Secretaria de Estado da Administração Interna. Já temos duas equipas de reforço a caminho. Estão ser preparados meios aéreos para o início da manhã de terça-feira, avançou.

A ativação deste plano significa que será possível pedir um apoio extraordinário ao Governo, algo que já aconteceu na região. Em agosto de 2005 foi acionado na sequência de um grande número de incêndios florestais em simultâneo, pelo seu tempo de duração, pela área ardida e pelo risco causado às populações, em especial nos concelhos de Viana do Castelo, Valença, Paredes de Coura e Ponte de Lima. Na altura, foi evacuado o hotel de Santa Luzia, na capital do Alto Minho.

O comandante distrital do CDOS de Viana do Castelo, Armando Silva, explicou que “o distrito conta com muitas ocorrências ativas, várias de grande dimensão e que já se arrastam há alguns dias” e que “estão a caminho dois grupos de reforço e equipas dos postos de comando Coimbra e de Bragança”, entre outros.

“O que mais nos preocupa são os incêndios de Covas (Vila Nova de Cerveira) e Cabração (Ponte de Lima) que lavram num interface florestal periurbano que nos está a obrigar a defesa de muitas habitações em diversas aldeias. O incêndio de Cabração já entrou no concelho de Viana do Castelo, em Vilar de Murteda e Meixedo””, afirmou aquele responsável.

O comandante do CDOS salientou ainda o caso da freguesia de Cabana Maior, em Arcos de Valdevez, adiantando que o fogo “está a obrigar a um combate muito duro em ambiente de serra”.

“Já houve necessidade de evacuar alguns locais e retirar pessoas das habitações”, disse Armando Silva, referindo que “não há feridos a registar entre a população” e que apesar de “alguns” operacionais intoxicados com fumos “não há nada de grave a lamentar”.

Segundo Armando Silva “estão no teatro de operações, alguns de grandes dimensões mais de 570 operacionais”.

Na noite de segunda-feira, o concelho de Arcos de Valdevez foi o primeiro do distrito de Viana do Castelo a acionar o plano municipal de emergência. Na altura, em declarações à Lusa o vereador da proteção civil municipal de Arcos de Valdevez, Olegário Gonçalves revelou que a decisão tinha sido tomada face à situação “dramática” que se vive no concelho , palco de vários incêndios.

IPVC. “O futuro da agricultura passa por aqui”

Começaram hoje as Jornadas Ibéricas de Agricultura de Precisão na Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESA-IPVC). Na sessão de abertura, Ana Paula Vale, diretora da ESA-IPVC, sublinhou que “o futuro da agricultura passa por aqui, pela agricultura de precisão”. A responsável pela ESA-IPVC revelou que a instituição fará um investimento de um milhão de euros na aquisição de equipamentos. “Estas jornadas, esta discussão que estamos a fomentar acontece no momento certo, pois a ESA tem vários projetos aprovados e financiados neste setor e a instituição vai fazer, nos próximos dois anos, o investimento de cerca de um milhão de euros na aquisição de equipamentos que vão auxiliar a formação dos estudantes e ajudar os agricultores não só desta região”. Para Ana Paula Vale tal investimento vai-se traduzir num “salto tecnológico muito significativo”.

Já Mário Araújo, da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, enalteceu a iniciativa que junta instituições de Portugal e Espanha e falou dos financiamentos que existem nesta área. Mário Araújo lançou igualmente vários desafios aos presentes em questões que ligados ao setor, como por exemplo no caso do combate às pragas, desafiando inclusivamente os presentes para a possibilidade de os avisos agrícolas passarem a ser quase em tempo real. Desafios que Ana Paula Vale diz estar já em cima da mesa com a recente criação da Rede Nacional de Experimentação e Investigação Agrária que reúne todas as Escola Superiores agrárias do Ensino Politécnico português.

Já Carlos Rodrigues, vice-presidente do IPVC falou da importância da agricultura de precisão como uma “ferramenta útil no auxílio de tomada de decisão com uma maior e melhor precisão, sendo igualmente um meio de diagnóstico e atuação”. O futuro da agricultura passa por produzir mais, melhor e de forma mais sustentável”.

Hoje e amanhã todas as questões ligadas à Agricultura de Precisão vão estar em discussão nestas jornadas que se assumem como um encontro técnico-científico que se dirige a produtores, técnicos das associações e outras organizações do sector agrícola, técnicos das empresas, estudantes do Ensino profissional e superior na área das ciências da terra e agronomia; técnicos da administração central, regional e local.

As Jornadas Ibéricas de Agricultura de Precisão pretendem “apresentar e divulgar os avanços nas técnicas e os desafios da adoção e aplicação das tecnologias e equipamentos; partilhar experiências entre os diferentes utilizadores das tecnologias de agricultura de precisão nos diferentes âmbitos da produção agronómica. discutir e realizar propostas para uma maior adoção, otimizar os meios disponíveis e necessário bem como, maximizar os respetivos impactes esperados na região do Entre Douro e Minho”.

Rally. Campeão nacional evacuado para o hospital depois de acidente em Viana

O troço de Viana do Castelo foi interrompido temporariamente esta manhã após acidente de José Pedro Fontes, piloto campeão nacional de ralis, que ocorreu nos primeiros metros da especial de Viana do Castelo.

O piloto ao volante de um Citroen, embateu de frente contra uma árvore, acabando por sofrer ferimentos. A navegadora, Inês Ponte, também ficou com mazelas.

Ambos foram transportados para o Hospital de Viana do Castelo em helicóptero, desconhecendo-se a gravidade dos ferimentos.