Acidentes rodoviários aumentam este ano e vítimas mortais diminuem

Os acidentes nas estradas portuguesas provocaram 374 mortos este ano, menos 17 do que em igual período de 2015, mas os desastres aumentaram mais de quatro por cento, num total de 105.356, segundo a Segurança Rodoviária. A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que reúne dados da PSP e da GNR, indica que, entre 01 de janeiro e 31 de outubro, registaram-se 105 356 acidentes, mais 4160 do que em igual período do ano passado, quando tinham ocorrido 101196.

Por sua vez, o número de vítima mortais diminuiu quase cinco por cento este ano, registando-se 374 mortos, menos 4,1% do que no mesmo período de 2015.Os distritos com o maior número de mortos são Lisboa (49), Aveiro (38), Porto (34) e Setúbal (32), adiantam os dados da ANSR.

Já Guarda (seis), Bragança e Vila Real (sete em cada um) são os distritos com menos mortos entre 01 de janeiro e 31 de outubro. A Segurança Rodoviária indica também que, este ano, ficaram gravemente feridas 1.716 pessoas, menos 165 do que no mesmo período de 2015. Também os feridos ligeiros diminuíram ligeiramente este ano ao sofrerem, até outubro, ferimentos ligeiros 31.794 pessoas, contra os 32.289 registados em 2015.

Os dados da ANSR dizem respeito às vítimas cujo óbito foi declarado no local do acidente ou a caminho do hospital.

Marinhas. Incêndio em Albergue sem feridos a registar

Pelas 17h30 desta quinta-feira os Bombeiros Voluntários de Esposende receberam um alerta para um incêndio no Albergue de S. Miguel, na freguesia de Marinhas.

Para o local foram enviados dois veículos de socorro (combate a incêndios urbanos e de comando) e seis operacionais.

O incêndio ficou confinado a um compartimento e provocou apenas danos materiais. Não houve feridos a registar.

A GNR tomou conta da ocorrência.

Apúlia. Professora de Esposende desaparecida de lar encontrada cadáver

Uma utente do Centro Social João Paulo II, situado na freguesia de Apúlia, foi encontrada sem vida, ao final da manhã desta quarta-feira num campo agrícola perto do referido lar.

A professora reformada Rosa Portela, de 80 anos e natural de Esposende, estava desaparecida desde a hora de almoço de ontem.

A família da idosa deu alerta para as autoridades, sendo que os Bombeiros Voluntários de Fão e GNR de Esposende, incluindo uma equipa cinotécnica, encetaram várias buscas desde a tarde de ontem.

As redes sociais também espalharam o desaparecimento da conhecida professora.

No entanto, e depois destas serem suspensas, as buscas foram retomadas hoje de manhã e Rosa Portela foi encontrada sem vida por um residente no lugar de Pedrinhas.

Conhecida pelas dificuldades motoras e com Alzhmeimer, a família procura agora respostas quanto ao que se terá passado com Rosa Portela.

A Polícia Judiciária, ao início da tarde, fez várias diligências no local onde a vítima foi encontrada, mas afasta, numa primeira análise, a hipótese de crime.

Os Bombeiros Voluntários de Fão fizeram o levantamento do cadáver, sendo que este foi transportadas para o Instituto de Medicina Legal do Hospital de Viana do Castelo.