Barcelos. PJ detém alegado incendiário

A Polícia Judiciária (PJ) anunciou hoje a detenção de um homem de 46 anos suspeito de ter cometido um crime de incêndio florestal, na terça-feira, em Barcelos.

Em comunicado, a PJ refere que o homem “tem antecedentes criminais por factos idênticos”.

Segundo a polícia, o homem atuou na terça-feira “num quadro de alcoolismo” e ateou o fogo “com recurso a um isqueiro, numa mata junto da sua residência, também na proximidade de outras habitações”.

As chamas, indica a PJ, só não atingiram maiores proporções “devido à rápida intervenção dos bombeiros”.

Barcelos. Piscinas Municipais reabrem após obras de requalificação e beneficiação

Reabriram dia 12 de março as Piscinas Municipais, concluídas que estão as obras de requalificação e beneficiação, que incidiram nos sistemas hidráulico, mecânico, cobertura e envidraçados.

Depois de feitas inspeções regulares de manutenção por técnicos no edifício das Piscinas Municipais, detetou-se a necessidade de renovar e introduzir melhorias ao nível da cobertura e dos equipamentos hidráulicos, mecânicos e da qualidade do ar interior das piscinas, que careciam de obras de requalificação e beneficiação, decorridos que estão quase 18 anos sobre a abertura ao público das Piscinas.

A cobertura do edifício foi alvo de substituição e dotada de um reforço do isolamento térmico que melhorará o comportamento térmico da envolvente exterior, eliminando pontos de infiltrações de água.

Os vãos envidraçados foram reforçados ao nível da estrutura, com a reparação de todos os equipamentos hidráulicos e mecânicos assim como de ventilação. A intervenção na área da ventilação, nomeadamente a substituição do sistema de desumidificação, vai permitir melhorar significativamente a qualidade do ar interior das Piscinas.

Foram ainda substituídas as condutas de aspiração na nave da piscina, substituídos os filtros de areia e renovado o sistema de ventilação/climatização.

A obra teve um custo de 563.605,80€ euros, acrescido de IVA, numa área de implantação de 2.900,00m2.

Retalho. Mercadona vai abrir loja em Braga

“Não iremos para Lisboa”, ressalvou o presidente da cadeia de supermercados espanhola, vincando que a empresa está “muito feliz” por apostar na região do Porto

O presidente da cadeia de supermercados espanhola Mercadona diz “não acreditar em centralismos”, justificando assim a aposta na região do Porto, em Portugal, e a não abertura de lojas em Lisboa numa primeira fase.

“Porquê o Porto? Porque não acredito em centralismo. Começamos pelo Porto, que é uma grande cidade, e depois vamos descer [no território do país]”, disse Juan Roig, que falava na conferência de imprensa da apresentação resultados de 2017, em Valência, Espanha.

“Não iremos para Lisboa”, ressalvou o responsável, vincando que a empresa está “muito feliz” por apostar na região do Porto.

Para o primeiro semestre de 2019 está prevista a abertura das lojas de Gaia, Maia, Gondomar e Matosinhos. Seguem-se, depois, outras cinco lojas no norte do país, ainda sem data: Porto, Braga, Penafiel, Barcelos e uma segunda loja em Gaia.

“Não queremos pôr uma bandeira no Porto, queremos expandir-nos em Portugal”, apontou.

Questionado sobre uma possível abertura aos domingos, dia em que os supermercados fecham em Espanha, mas que é forte em vendas em Portugal, Juan Roig referiu que esta é “uma das grandes discussões” que a empresa está a ter, tendo em conta as novas lojas portuguesas.

“Eu não gostaria de abrir, mas estamos a falar”, acrescentou.

Já quanto à introdução no mercado português, considerou ser “um mercado maduro”, mas realçou que “todos os mercados” o são.

“Há é uma nova forma de fazer as coisas”, segundo o presidente da companhia.

Falando num “sistema distinto” da Mercadona face ao que existe em Espanha, Juan Roig recusou que a cadeia seja apenas “uma distribuidora de produtos” em Portugal.

Por isso, está a reunir-se com fornecedores e com potenciais clientes portugueses.

Acresce que “50% dos produtos que vamos vender em Portugal são diferentes dos que vendemos em Espanha”, indicou, exemplificando que os portugueses preferem sabores tropicais como o do ananás.

Salientando que a Mercadona “está cada vez mais perto de Portugal”, disse que, em 2017, a empresa já criou a sociedade no país (a Irmãdona), abriu um Centro de Coinovação em Matosinhos, recrutou 120 pessoas para cargos de direção e abriu concursos para 200 colaboradores para as lojas, tendo ainda assinado um contrato para instalar uma plataforma logística na Póvoa de Varzim.