Ensino. Greve dos professores com adesão entre 60% e 70% durante a manhã

A greve dos professores registou na manhã desta terça-feira uma adesão entre 60% e 70%, segundo a Federação Nacional dos Professores (Fenprof), numa conferência de imprensa acompanhada pelos restantes sindicatos que convocaram a paralisação.

“Esta é uma grande resposta dos professores no primeiro de quatro dias de greve”, disse aos jornalistas o secretário-geral da Fenprof.

“Se o Governo não ouviu os professores na negociação vai ouvir na rua”, disse Mário Nogueira, no primeiro balanço sobre a manhã de greve junto à escola Marquesa da Lorna, em Lisboa.

Na segunda-feira, sindicatos dos professores e Ministério da Educação não chegaram a acordo em relação à contagem do tempo de descongelamento das carreiras.

Como não chegaram a acordo, os professores mantiveram a greve prevista para entre esta terça-feira e sexta-feira.

A greve abrange esta terça-feira as escolas dos distritos de Lisboa, Setúbal e Santarém e na região autónoma da Madeira, na quarta-feira as da região sul (Évora, Portalegre, Beja e Faro), na quinta-feira as da região centro (Coimbra, Viseu, Aveiro, Leiria, Guarda e Castelo Branco) e, na sexta-feira, é a vez da região norte (Porto, Braga, Viana do Castelo, Vila Real e Bragança) e na região autónoma dos Açores.

Escolas. “Pequenos fangueiros” recebidos na Assembleia da República por Ferro Rodrigues e deputados

No âmbito da ‘Viagem Finalistas’ do 4.º ano de escolaridade, a Associação de Pais e Amigos do Centro Escolar de Fão, do concelho de Esposende, proporcionou a um grupo de alunos uma visita à Assembleia da República.

Os “pequenos fangueiros” foram recebidos pelo deputado Joaquim Barreto, do PS, que serviu de guia.

“Foi com todo gosto que acompanhei e de recebi os meninos e meninas bem como os docentes que os acompanharam nesta deslocação a Lisboa”, disse o deputado.

Além da visita guiada, o grupo de petizes almoçou nas instalações da Assembleia da República. Conheceram o plenário e estiveram com o presidente do Parlamento, Eduardo Ferro Rodrigues.

“Foi para mim uma enorme satisfação receber esta simpática delegação do meu distrito na Assembleia da República. Aos meus amigos mais pequeninos, desejo as maiores felicidades ao longo da vida. Aos seus professores, na pessoa da Patrícia Mucha, presidente da Associação de Pais e Amigos do Centro Escolar de Fão, deixo uma palavra de apreço pelo importante trabalho que diariamente desenvolvem no processo educativo e formativo destas, como de outras crianças que frequentam este estabelecimento de ensino”, desejou Joaquim Barreto no final da visita.

IPMA. Sismo de 3.6 sentido em Esposende

A terra tremeu na zona norte do país, e também em Esposende, após sismo com epicentro em Amarante, classificado com magnitude de 3.6 na Escala de Ritcher, segundo dados divulgados pelo Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA).

Ao que o Esposende 24 apurou, o sismo, com registo às 17:03 horas, foi sentido em várias freguesias, com maior incidência para nas zonas a sul, nomeadamente Apúlia, Fão, Rio Tinto, Fonte Boa, Gandra, Gemeses e Esposende.

Fonte dos Bombeiros de Amarante indicou  que o epicentro deu-se na freguesia de Lufrei, a cerca de quatro quilómetros a este-nordeste de Amarante, não tendo aquela corporação registado qualquer ocorrência na sequência do sismo.

Segundo o IPMA “o sismo, de acordo com a informação disponível até ao momento, não causou danos pessoais ou materiais e foi sentido com intensidade máxima IV (escala de Mercalli modificada) na região de Amarante”.

“O Instituto Português do Mar e da Atmosfera informa que no dia 06 de junho de 2017 pelas 17:03 (hora local) foi registado nas estações da Rede Sísmica do Continente, um sismo de magnitude 3.6 (Richter) e cujo epicentro se localizou a cerca de quatro quilómetros a este-nordeste de Amarante”, informa o comunicado do IPMA.

O sismo – que foi inicialmente apontado como de 3.5, mas depois reformulado para 3.6 – foi sentido em vários distritos da região Norte.

Os sismos com esta magnitude, e segundo informações recolhidas junto do IPMA, “acontece com frequência e raramente provoca danos”, embora se possa sentir a mais de 100 quilómetros de distância.

Foto: Esposende GuestHouse