Saúde. Bloco de Esquerda exige novo hospital em Barcelos

O Bloco de Esquerda (BE) exigiu hoje obras “urgentes” de requalificação do Hospital de Barcelos e a inclusão no próximo Orçamento do Estado da construção de uma nova unidade hospitalar naquela cidade.

Em conferência de imprensa, o deputado bloquista Pedro Soares defendeu ainda a necessidade de dotar aquele hospital de mais profissionais de saúde e de mais equipamentos, para inverter um quadro de funcionamento que diz estar “próximo do caótico”.

“De uma forma intencional ou não, esta é uma situação que serve os objetivos da PPP [parceria público-privada] do Hospital de Braga, para onde são sistematicamente encaminhados os utentes do Hospital de Barcelos”, referiu.

Segundo Pedro Soares, urge inverter o desinvestimento no Hospital de Barcelos e a sua perda e capacidade de tratamento e socorro, com obras urgentes de requalificação e com o reforço de pessoal e equipamentos.

O BE vai ainda pugnar pela inclusão no Orçamento do Estado para 2019 da construção de um novo hospital em Barcelos.

Pedro Soares deixou o repto à “conjugação de esforços”, na luta pelo novo hospital, entre câmaras municipais dos concelhos servidos pelo hospital (Barcelos e Esposende), freguesias, forças políticas e deputados eleitos pelo distrito de Braga.

O dirigente do BE/Barcelos José Maria Cardoso disse que, atualmente, o Hospital de Barcelos está transformado “numa espécie de centro de saúde um bocadinho maior” ou num “centro de triagem de doentes para Braga”.

A funcionar num edifício propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, o hospital dá resposta a 154 mil habitantes daquele concelho e de Esposende.

Em 2007, o Governo e a Câmara de Barcelos assinaram um protocolo para a construção do novo hospital daquela cidade.

Segundo o protocolo, à câmara caberia adquirir os terrenos necessários para o efeito.

O projeto do hospital seria depois apresentado publicamente pelo então secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro.

No entanto, o processo nunca saiu da gaveta.

Na sexta-feira, o Bloco de Esquerda apresentou, na Assembleia da República, uma pergunta dirigida ao Ministério da Saúde, questionando se tem conhecimento da situação do Hospital de Barcelos e quais são os planos do Governo sobre obras de requalificação das atuais instalações e sobre a construção de um edifício de raiz.

Última Hora. Direção-Geral de Saúde declara “existência de surto de sarampo” em Portugal

A Direção-Geral de Saúde (DGS) declarou hoje “a existência de um surto” de sarampo em Portugal, depois de terem sido confirmados sete casos daquela doença na região Norte do país.

Num comunicado hoje divulgado, a DGS refere que “a presente situação na Região Norte configura a existência de um surto” de sarampo. A DGS recorda que até terça-feira tinham sido “notificados na Região Norte dois casos de sarampo, aparentemente não relacionados, confirmados laboratorialmente em adultos não vacinados”.

Destes dois pacientes, um “encontra-se internado, clinicamente estável”, refere.

Entretanto, até às 21:00 de hoje, o Hospital de Santo António, no Porto, “reportou 32 casos suspeitos de sarampo com relação laboral ao hospital”. Desses 32 casos, refere a DGS, oito “foram já testados laboratorialmente no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge”, tendo cinco sido “confirmados como casos de sarampo”.

“Estão internados três doentes, um deles em situação clínica instável”, adianta a DGS.

No total, desde terça-feira foram confirmados sete casos de sarampo no norte do país.

De acordo com a DGS, “está em curso a investigação epidemiológica detalhada da situação, que inclui a investigação laboratorial de todos os casos”.

No comunicado hoje divulgado, a DGS recomenda que as pessoas verifiquem os boletins de vacinas e que, caso seja necessário, se vacinem contra o sarampo, recordando tratar-se de “uma das doenças infeciosas mais contagiosas podendo provocar doença grave, principalmente em pessoas não vacinadas”.

No caso de pessoas vacinadas, “a doença pode, eventualmente, surgir, mas com um quadro clínico mais ligeiro e menos contagioso”.

A DGS aconselha ainda a “quem esteve em contacto com um caso suspeito de sarampo e tem dúvidas” que ligue para a Linha Saúde 24 (número 808 24 24 24)

Deve também ligar para aquela linha quem tiver “sintomas sugestivos de sarampo (febre, erupção cutânea, conjuntivite, congestão nasal, tosse)”. Com esses sintomas, a DGS recomenda que “não se desloque e evite o contacto com outros”.

O sarampo provocou 35 mortes no ano passado, incluindo uma em Portugal, só num conjunto de 50 países da região europeia, onde se registaram mais de 20 mil casos em 2017.

No ano passado, Portugal teve dois surtos simultâneos de sarampo (num total de 29 casos), que chegaram a provocar a morte de uma jovem de 17 anos.

Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), “cada nova pessoa afetada pelo sarampo na Europa relembra que crianças e adultos não vacinados, independentemente de onde vivam, continuam em risco de contrair a doença e de a passar a outros que possam ainda não estar vacinados”.

O sarampo é uma doença grave, para a qual existe vacina, contudo, o Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que haja uma elevada incidência de casos em crianças menores de um ano de idade, que ainda são muito novas para receber a primeira dose da vacina. Daí que reforce a importância de todos os outros grupos estarem vacinados de forma a que não apanhem nem transmitam a doença.

Segundo os dados de 2017, mais de 87% das pessoas que contraíram sarampo não estavam vacinadas.

Barcelos. Piscinas Municipais reabrem após obras de requalificação e beneficiação

Reabriram dia 12 de março as Piscinas Municipais, concluídas que estão as obras de requalificação e beneficiação, que incidiram nos sistemas hidráulico, mecânico, cobertura e envidraçados.

Depois de feitas inspeções regulares de manutenção por técnicos no edifício das Piscinas Municipais, detetou-se a necessidade de renovar e introduzir melhorias ao nível da cobertura e dos equipamentos hidráulicos, mecânicos e da qualidade do ar interior das piscinas, que careciam de obras de requalificação e beneficiação, decorridos que estão quase 18 anos sobre a abertura ao público das Piscinas.

A cobertura do edifício foi alvo de substituição e dotada de um reforço do isolamento térmico que melhorará o comportamento térmico da envolvente exterior, eliminando pontos de infiltrações de água.

Os vãos envidraçados foram reforçados ao nível da estrutura, com a reparação de todos os equipamentos hidráulicos e mecânicos assim como de ventilação. A intervenção na área da ventilação, nomeadamente a substituição do sistema de desumidificação, vai permitir melhorar significativamente a qualidade do ar interior das Piscinas.

Foram ainda substituídas as condutas de aspiração na nave da piscina, substituídos os filtros de areia e renovado o sistema de ventilação/climatização.

A obra teve um custo de 563.605,80€ euros, acrescido de IVA, numa área de implantação de 2.900,00m2.