Barcelos. Município e Júlia Ramalho entre os vencedores de 2017 do ‘Prémio Nacional do Artesanato’

O Município de Barcelos e a artesã barcelense Júlia Ramalho acabam de ser distinguidos no âmbito do concurso ‘Prémio Nacional do Artesanato 2017’, promovido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Os galardões foram atribuídos hoje, numa cerimónia que decorreu no Museu de Arte Popular, em Lisboa, com o Município de Barcelos a ser agraciado com o “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, que visa reconhecer o trabalho das entidades ou organismos públicos em prol das artes e ofícios, e com Júlia Ramalho a vencer o “Grande Prémio Carreira”, uma distinção que homenageia o percurso e a obra da consagrada artesã barcelense no domínio do artesanato tradicional.

Estas distinções acontecem poucos meses depois de Barcelos ter sido reconhecida com o selo de Cidade Criativa da UNESCO, na categoria de Artesanato e Arte Popular.

O Município de Barcelos apresentou em agosto a sua candidatura à categoria “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, sustentada no “programa de ação ímpar a nível nacional que o Município vem desenvolvendo nos últimos anos, promovendo as Artes e Ofícios como eixo estruturante do desenvolvimento económico, social e territorial e como fator de inclusão e coesão social”.

O Município de Barcelos propôs ainda o nome de Júlia Ramalho, natural de Galegos São Martinho, para vencer o “Grande Prémio Carreira”, pelos mais de 60 anos de trabalho dedicados ao artesanato, justificando que a artesã “soube honrar e valorizar o legado da avó, Rosa Ramalho, e notabilizar ainda mais a obra artística da família Ramalho, criando peças enquadráveis, rememorativas e adaptáveis à sociedade de cada um dos tempos em que viveu e vive”.

A distinção do Município é para Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara, um “motivo de orgulho” e “o corolário de uma estratégia bem concertada e sustentada que o Município de Barcelos tem implementado, nos últimos anos, para promover, valorizar e salvaguardar as práticas e as produções artesanais do concelho”.

“Este prémio representa, para além do reconhecimento, uma responsabilidade acrescida, obrigando a que continuemos a trabalhar na preservação do artesanato barcelense enquanto herança e património que nos foi legado e que nos compete defender, desafio a que continuaremos a responder com um profundo sentido de serviço público e de compromisso para com os barcelenses”, acrescenta Miguel Costa Gomes.

Prémio Nacional do Artesanato

O ‘Prémio Nacional do Artesanato’ é uma iniciativa que vem sendo realizada desde 1987, pelo Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, através do IEFP, integrando agora o Programa de Promoção das Artes e Ofícios. O concurso, que procura incentivar a produção artesanal, distinguindo artesãos portugueses, agentes e entidades públicas e privadas com intervenções relevantes na promoção das artes e dos ofícios, possibilita distinções em seis categorias: Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.

Barcelos. O melhor do património gastronómico, do vinho e do turismo vai a concurso

O Município de Barcelos formalizou candidatura às “7 Maravilhas à Mesa”, propondo a concurso o melhor do património gastronómico, do vinho e do turismo do concelho.

O galo assado à moda de Barcelos, um roteiro de experiências únicas relacionado com a olaria e a riqueza do património material e imaterial, com destaque para a Feira Semanal, são os alicerces desta candidatura apresentada pelo Município, tendo como pano de fundo a recente integração da Rede das Cidades Criativas da UNESCO.

O programa “7 Maravilhas à Mesa” tem o Alto Patrocínio do Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, da Secretaria de Estado do Turismo, e da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e é desenvolvido em parceria com a Associação de Municípios Portugueses do Vinho. Promove, desde 2007, os grandes valores da identidade nacional, realizando iniciativas de valorização do património histórico, natural, gastronómico, as praias e as aldeias de Portugal.

O tema escolhido para este ano foi “7 Maravilhas à Mesa”, que inclui gastronomia, vinhos e azeites e roteiros turísticos. Tendo em conta as enormes potencialidades de Barcelos nestes domínios, o Município efetuou esta candidatura com o objetivo de promover os seus melhores produtos e ver reconhecida a riqueza do seu património.

Na categoria de Gastronomia, no património carne e caça, o Município sugere o famoso galo assado à moda de Barcelos, especialidade que remete para a lenda do Galo.

Na categoria de Vinhos e Azeites, Barcelos concorre nos vinhos brancos e tintos, como exemplares produzidos em quintas do concelho das castas Loureiro / Alvarinho e Vinhão, respetivamente.

Na categoria de roteiros, a candidatura do Município apresenta propostas em quatro domínios: Património Histórico, Cultural e Natural (Torre Medieval), Museus (Museu de Olaria), Eventos de Afirmação Local (Feira Semanal) e Experiências Únicas (modelação em barro e pintura de cerâmica).

À semelhança das edições anteriores, um painel de especialistas avaliará as candidaturas de forma a elaborar uma lista de 49 pré-finalistas, sete de cada região, que posteriormente serão votadas pelo público.

Saúde. Bloco de Esquerda exige novo hospital em Barcelos

O Bloco de Esquerda (BE) exigiu hoje obras “urgentes” de requalificação do Hospital de Barcelos e a inclusão no próximo Orçamento do Estado da construção de uma nova unidade hospitalar naquela cidade.

Em conferência de imprensa, o deputado bloquista Pedro Soares defendeu ainda a necessidade de dotar aquele hospital de mais profissionais de saúde e de mais equipamentos, para inverter um quadro de funcionamento que diz estar “próximo do caótico”.

“De uma forma intencional ou não, esta é uma situação que serve os objetivos da PPP [parceria público-privada] do Hospital de Braga, para onde são sistematicamente encaminhados os utentes do Hospital de Barcelos”, referiu.

Segundo Pedro Soares, urge inverter o desinvestimento no Hospital de Barcelos e a sua perda e capacidade de tratamento e socorro, com obras urgentes de requalificação e com o reforço de pessoal e equipamentos.

O BE vai ainda pugnar pela inclusão no Orçamento do Estado para 2019 da construção de um novo hospital em Barcelos.

Pedro Soares deixou o repto à “conjugação de esforços”, na luta pelo novo hospital, entre câmaras municipais dos concelhos servidos pelo hospital (Barcelos e Esposende), freguesias, forças políticas e deputados eleitos pelo distrito de Braga.

O dirigente do BE/Barcelos José Maria Cardoso disse que, atualmente, o Hospital de Barcelos está transformado “numa espécie de centro de saúde um bocadinho maior” ou num “centro de triagem de doentes para Braga”.

A funcionar num edifício propriedade da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, o hospital dá resposta a 154 mil habitantes daquele concelho e de Esposende.

Em 2007, o Governo e a Câmara de Barcelos assinaram um protocolo para a construção do novo hospital daquela cidade.

Segundo o protocolo, à câmara caberia adquirir os terrenos necessários para o efeito.

O projeto do hospital seria depois apresentado publicamente pelo então secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro.

No entanto, o processo nunca saiu da gaveta.

Na sexta-feira, o Bloco de Esquerda apresentou, na Assembleia da República, uma pergunta dirigida ao Ministério da Saúde, questionando se tem conhecimento da situação do Hospital de Barcelos e quais são os planos do Governo sobre obras de requalificação das atuais instalações e sobre a construção de um edifício de raiz.