Tribunal condena 13 arguidos que assaltavam casas em Esposende, Póvoa de Varzim e Barcelos

O Tribunal de Braga condenou 13 arguidos pela prática de furto qualificado, dois por detenção de arma proibida, um por tráfico de armas e outro por falsificação de documentos, informou hoje o Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

No seu sítio da internet, o Ministério Público explica que os factos que motivaram as condenações daqueles indivíduos ocorreram entre 16 de fevereiro de 2013 e 14 de outubro de 2014 e “reportam-se a assaltos, essencialmente a casas de residência, levados a cabo nas localidades de Esposende, Póvoa de Varzim, Barcelos, Vila Nova de Famalicão, Braga, Vila Praia de Âncora, Viana do Castelo, Santo Tirso, Guimarães, Vila Verde, Vizela e Monção”.

Dos 13 arguidos, o Tribunal da Instância Central Criminal da Comarca de Braga condenou quatro a penas de prisão efetiva sendo que os outros sete foram condenados em penas de prisão suspensas na sua execução que variaram entre os 2 e os 4 anos e 6 meses” e outros dois na pena de prestação de trabalho a favor da comunidade.

Assim, dos quatro indivíduos que vão cumprir pena, um foi condenado a 11 anos por 19 crimes de furto qualificado, um crime de detenção de arma proibida e um crime de tráfico de armas, outro cumprirá oito anos e seis meses por vinte e cinco crimes de furto qualificado, dos quais dois na forma tentada.

Um terceiro foi condenado a sete anos por onze crimes de furto qualificado e um crime de falsificação e, por último, um quarto indivíduo foi sentenciado a três anos e quatro meses pela prática de um crime de furto qualificado.

A sentença destes 13 arguidos foi lida no dia 13 de novembro.

Barcelos. Concelho sobe no Ranking nacional do Portugal City Brand Ranking 2018

O Município de Barcelos registou uma subida de quatro lugares no ranking nacional do Portugal City Brand Ranking/2018 – Municípios Portugueses, promovido pela Bloom Consulting, ocupando agora a 30ª posição, num total de 308 municípios.

Em termos globais, analisando as categorias Viver, Visitar e Negócios, o concelho de Barcelos ocupa a 10ª posição na região Norte, tendo também aqui subido uma posição na tabela geral, voltando a ocupar um lugar no “Top10”. Neste estudo que revela quais são os concelhos com melhor desempenho na captação de turistas, de investidores e de novos residentes, Barcelos obteve um crescimento de 44% desde o ano de 2014. Aqui é importante salientar o crescimento do Município de Barcelos mas também a distribuição anual das pesquisas sobre o município, que avaliam entre outras, as categorias de emprego, restaurantes e alojamento.

Sobre o ranking

A Bloom Consulting baseia este estudo anual, Portugal City Brand Ranking num algoritmo proprietário.

Em cada edição, são consideradas diversas fontes de informação, relacionadas com as três dimensões (Negócios, Visitar e Viver) para a formação deste algoritmo. Os resultados finais deste ranking não só medem as perceções sobre um município, mas também classificam o desempenho da sua marca de uma forma tangível e realista.

Este estudo é composto por três variáveis base, utilizadas para analisar o sucesso da marca dos 308 municípios portugueses, bem como o seu desempenho relativo entre eles. Esta metodologia utilizada, avalia a variável económica turística e social, representada por dados estatísticos, a variável da procura através das pesquisas online captadas pela ferramenta Digital Demand – D2 e a variável da performance on-line, através da análise dos sites e das redes sociais oficiais de cada município. Desta forma concreta e rigorosa, é possível avaliar o desempenho e a eficácia dos diversos municípios na captação de investidores, turistas e novos residentes.

Barcelos. Município e Júlia Ramalho entre os vencedores de 2017 do ‘Prémio Nacional do Artesanato’

O Município de Barcelos e a artesã barcelense Júlia Ramalho acabam de ser distinguidos no âmbito do concurso ‘Prémio Nacional do Artesanato 2017’, promovido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Os galardões foram atribuídos hoje, numa cerimónia que decorreu no Museu de Arte Popular, em Lisboa, com o Município de Barcelos a ser agraciado com o “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, que visa reconhecer o trabalho das entidades ou organismos públicos em prol das artes e ofícios, e com Júlia Ramalho a vencer o “Grande Prémio Carreira”, uma distinção que homenageia o percurso e a obra da consagrada artesã barcelense no domínio do artesanato tradicional.

Estas distinções acontecem poucos meses depois de Barcelos ter sido reconhecida com o selo de Cidade Criativa da UNESCO, na categoria de Artesanato e Arte Popular.

O Município de Barcelos apresentou em agosto a sua candidatura à categoria “Prémio Promoção para Entidades Públicas”, sustentada no “programa de ação ímpar a nível nacional que o Município vem desenvolvendo nos últimos anos, promovendo as Artes e Ofícios como eixo estruturante do desenvolvimento económico, social e territorial e como fator de inclusão e coesão social”.

O Município de Barcelos propôs ainda o nome de Júlia Ramalho, natural de Galegos São Martinho, para vencer o “Grande Prémio Carreira”, pelos mais de 60 anos de trabalho dedicados ao artesanato, justificando que a artesã “soube honrar e valorizar o legado da avó, Rosa Ramalho, e notabilizar ainda mais a obra artística da família Ramalho, criando peças enquadráveis, rememorativas e adaptáveis à sociedade de cada um dos tempos em que viveu e vive”.

A distinção do Município é para Miguel Costa Gomes, presidente da Câmara, um “motivo de orgulho” e “o corolário de uma estratégia bem concertada e sustentada que o Município de Barcelos tem implementado, nos últimos anos, para promover, valorizar e salvaguardar as práticas e as produções artesanais do concelho”.

“Este prémio representa, para além do reconhecimento, uma responsabilidade acrescida, obrigando a que continuemos a trabalhar na preservação do artesanato barcelense enquanto herança e património que nos foi legado e que nos compete defender, desafio a que continuaremos a responder com um profundo sentido de serviço público e de compromisso para com os barcelenses”, acrescenta Miguel Costa Gomes.

Prémio Nacional do Artesanato

O ‘Prémio Nacional do Artesanato’ é uma iniciativa que vem sendo realizada desde 1987, pelo Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, através do IEFP, integrando agora o Programa de Promoção das Artes e Ofícios. O concurso, que procura incentivar a produção artesanal, distinguindo artesãos portugueses, agentes e entidades públicas e privadas com intervenções relevantes na promoção das artes e dos ofícios, possibilita distinções em seis categorias: Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.