Menu

Autárquicas. CDS-PP de Esposende retira apoio a João Cepa

“O que nos foi apresentado em janeiro não é o projeto que temos hoje e o que temos hoje é muito diferente do que nos foi apresentado em janeiro”.  É desta forma, e em exclusivo ao V, que João Pedro Lopes, presidente da concelhia do CDS-PP de Esposende anunciou que o partido não continua a apoiar o antigo autarca de Esposende, João Cepa, criticando mesmo algumas posições públicas de João Cepa.

“Quando a primeira grande e marcante ideia de João Cepa é o arranjo de um prédio numa rua secundária de Esposende, parece evidente que o projeto de candidatura está como esse prédio, em fase de ruír”, afirma João Pedro Lopes.

Segundo o presidente dos populares “não foi possível encontrar convergência nos princípios, inovação nas ideias ou coerência na visão” sobre a importância de uma candidatura mais abrangente.

“Entendemos claramente que esta candidatura tinha tudo para ser uma alternativa muito forte, mas revelou-se limitada e demasiado distante do CDS-PP”, revela o líder do CDS-PP de Esposende.

O presidente da estrutura admite que tentou “genuinamente co-criar um projeto alargado para o concelho, mas não foi possível”.

“O problema não está nas pessoas, está convictamente na visão de cada um”, aponta.

Segundo João Pedro Lopes, “não se verificando possível tornar o projeto num projeto coletivo para o município, a decisão passou por seguir caminhos próprios e separados”.

O presidente do CDS-PP de Esposende, em em declarações públicas, havia afirmado que “não queria integrar listas porque não queria ser acusado de ter mudado o rumo por uma questão de lugares, se algum dia o apoio fosse retirado”.

O CDS de Esposende tinha decidido apoiar a candidatura de João Cepa, vindo, contudo, a sentir-se nas últimas semanas algum desconforto nos centristas, nomeadamente pela divergência de estratégia nas assembleias de freguesia, espaço onde o CDS pretendia apostar forte e ver reforçado o seu tecido de implantação local.

Para João Lopes, “o partido decidiu unir-se à volta de um projeto, na convicção de que se tratava de um movimento que apenas tinha como objetivo a defesa de projetos e ideais para o desenvolvimento de Esposende”.

Segundo este, “o atual rumo que está preparado é um projeto isolado”. “É um projeto de um homem só, com ideias vagas às segundas, quartas e sextas e o seu exacto contrário às terças, quintas e sábados”, refere João Pedro Lopes.

Para o presidente do CDS-PP, a candidatura de João Cepa não é o objetivo da campanha.

“O cancro deste concelho são as listas de espera para audiência, são os gastos em publicidade e não a candidatura do senhor A ou B. Não acrescenta discutir pessoas. O CDS tem claro e prioritário afirmar a marca Ofir e Mar de Apúlia, numa aposta clara pela descentralização do turismo”, sublinha João Pedro Lopes.

Sobre o futuro, o líder do CDS-PP de Esposende, admite que “a seu tempo o partido lançará uma candidatura” que congregue “todas as sensibilidades internas e possa ser profundamente abrangente, promovendo o regresso de nomes queridos e meritórios do partido e da sociedade esposendense”.

“Certo é que este assunto, agora público, vem sendo gerido internamente desde há algum tempo com a direcção nacional do partido, pelo que este desfecho terá já sido mesmo dado a conhecer na última reunião da comissão política”, vaticina.

Jornalista - Carteira Profissional Nº CO/1250