Esposende. Quatro meses de prisão efetiva por conduzir bicicleta embriagado

O homem, que já tinha sido condenado quatro vezes por conduzir embriagado, fica ainda proibido de conduzir durante um ano

O Tribunal da Relação de Guimarães confirmou a condenação a quatro meses de prisão efetiva de um homem apanhado a conduzir uma bicicleta em estado de embriaguez junto a uma discoteca em Ofir, Esposende.

Segundo o acórdão, hoje consultado pela Lusa, o homem fica ainda proibido de conduzir durante um ano.

O tribunal sublinha que o arguido, técnico auxiliar de saúde, já tinha sido condenado quatro vezes por conduzir embriagado, uma das quais em pena de prisão, suspensa na sua execução.

Os factos remontam a 24 de setembro de 2017 e ocorreram pouco depois das 04:00, na estrada de acesso a uma discoteca de Ofir, Esposende.

O arguido estaria a conduzir uma bicicleta com uma taxa de álcool no sangue de pelo menos 1,748 gramas por litro.

Em tribunal, o arguido alegou que não andou mais de 100 metros de bicicleta e sempre na via de acesso à discoteca.

Disse ainda que a ideia dele era pedir à GNR que guardasse a bicicleta, para que não ficasse à vista.

Garantiu igualmente que não sabia que não podia conduzir bicicleta com álcool a mais.

Os argumentos não colheram junto do tribunal, que, face aos episódios anteriores de condução sob o efeito do álcool, aplicou ao arguido prisão efetiva.

“Face às anteriores condenações sofridas pelo arguido pelo mesmo tipo de crime, a simples ameaça da pena de prisão em que se traduz a suspensão da sua execução não tem efeito dissuasor no comportamento do arguido para que não cometa novos crimes, designadamente de condução de veículo em estado de embriaguez”, refere o acórdão.

Sublinha que os factos de Esposende foram perpetrados no decurso do período de suspensão de uma pena de prisão pela prática do mesmo tipo de crime.

Além disso, o tribunal refere que, no âmbito dos crimes relativos à circulação rodoviária, “as exigências de prevenção geral são muito importantes, quer pela sua excessiva frequência, quer pelo perigo da gravidade das suas consequências, devendo assinalar-se às penas, por esses crimes, um efeito de prevenção geral de intimidação”.

Esposende. Município assinala Dia Mundial do Teatro

O Município de Esposende vai levar a efeito, no próximo sábado, dia 17 de março, pelas 21h30, no Auditório Municipal de Esposende, a apresentação da peça “Leandro, Rei da Helíria”, pela Companhia de Teatro ARCA.

O espetáculo insere-se nas comemorações do Dia Mundial do Teatro, que se assinala a 27 de março, e tem entrada gratuita. Os ingressos estarão disponíveis a partir das 20h30, no Auditório Municipal, podendo as reservas ser efetuadas através do telemóvel 930 479 093 ou do e-mail ana.ferreira@cm-esposende.pt.

“Leandro, Rei da Helíria” é um espetáculo para toda a família, onde os mais pequenos vibram com uma fantástica história de reis, príncipes e princesas e os mais velhos se deliciam com o enredo e simbolismo que a peça transmite.

Com um enredo muito semelhante ao “Rei Lear”, de William Shakespeare, este conto da tradição popular foi adaptado para o teatro português pela escritora Alice Vieira. É uma história onde se fala de amor, de ingratidão e do que acontece a um rei quando é destronado.

Cávado. Esposende define prioridades na adaptação às alterações climáticas

O Município de Esposende promoveu hoje reuniões dos grupos temáticos, constituídos no âmbito do projeto da Comunidade Intermunicipal (CIM) Cávado que pretende capacitar o território de uma estratégia concertada e apresentar propostas de adaptação às alterações climáticas no território da NUT III Cávado. Participaram autarcas e técnicos municipais, elementos das áreas da Proteção Civil e Socorro, Saúde, Turismo, Economia e de Organizações Não Governamentais da Área do Ambiente.

Estas reuniões tiveram como objetivo ultimar a informação que servirá de base ao memorando final da CIM Cávado e que contribuirá para a definição das medidas a implementar pelos municípios desta área geográfica.
Estas reuniões (que decorrem nos seis concelhos da CIM) decorrem da aprovação da candidatura “Estratégia Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas no território da NUTS III Cávado”, cuja principal finalidade radica na identificação das vulnerabilidades da região e na definição de estratégias de prevenção.
Divididos em grupos setoriais que abordaram as temáticas da Agricultura, Florestas e Biodiversidade, do Turismo e Economia, da Energia e Transportes, da Governação, Saúde e Segurança de pessoas e bens, dos Recursos Hídricos e Zonas Costeiras e do Ordenamento do Território e Infraestruturas, os participantes definiram as ações prioritárias que atenderam a fatores como a eficácia e eficiência das medidas preconizadas, a sua abrangência, as responsabilidades e os custos associados e eventual financiamento.
Alexandra Roeger, vice-presidente da Câmara Municipal de Esposende, lembrou que este trabalho prospetivo é da maior relevância na medida em que, ao envolver representantes dos vários setores da sociedade com responsabilidades diretas e indiretas na gestão do território e dos seus recursos, permitirá a obtenção de um resultado final em que estarão espelhadas as preocupações e as expectativas de todos. É um trabalho colaborativo e de efetiva participação, assente numa ótica de envolvimento e trabalho em rede.
No final de todo o processo, os contributos serão partilhados pela CIM Cávado e pelos municípios envolvidos junto dos agentes sociais e da população em geral, com o intuito de planear e implementar as estratégias de minimização dos efeitos das alterações climáticas definidas para o território, esbatendo vulnerabilidades e capacitando a população.